Secult comemora o Dia Nacional da Cultura

Ontem, dia 4 de novembro, aconteceu na Capela do Patronato uma noite repleta de musicalidade. Foi uma celebração antecipada ao Dia Nacional da Cultura, que transcorre hoje, dia 5, instituída como uma homenagem ao nascimento do jurista, jornalista, político, diplomata, ensaísta e orador baiano Rui Barbosa.

Na programação, o Grupo Infantil de Canto Coral abriu o espetáculo entoando canções populares, com acompanhamento do músico e Coordenador do Departamento de Música, Edson Cley. Em seguida, foi a vez da apresentação da Orquestra Infantojuvenil Limoeirense, sob a regência do violonista e professor Leandro Alves, juntamente com alguns membros da Banda de Música Maestro José Robles, numa demonstração de sintonia e convergência harmônicas.

O secretário de Cultura e Turismo, Jorge Pieiro, na abertura do evento, agradeceu à participação de cada jovem e cada criança e, consequentemente, aos familiares por manterem vivas essas ações, e, na oportunidade, lembrou do 43º aniversário da Banda, a acontecer no próximo dia 6, quando ressaltou “não é este ainda um momento festivo para a Banda, em que simplesmente louvamos o trabalho dos jovens. Podemos dizer ser apenas um grande ensaio, pois ficamos devendo, e não esqueceremos, de marcar na história de nossa cidade o valor de nossos músicos em mais um ano de existência”.

O maestro Arley França, regente da Orquestra Contemporânea Brasileira e diretor artístico da Orquestra de Sopros de Pindoretama, e responsável pela execução do projeto em Limoeiro do Norte, teceu elogios ao grupo, enaltecendo a evolução dos integrantes da orquestra. Disse França, que “a atual formação da orquestra demonstra sua evolução, podendo já alçar maiores voos, fazendo jus ao seu desempenho musical”.

Ao final da noite, a Banda Maestro José Robles, sob a batuta do maestro Luandrey Célio, empolgou a plateia, fazendo-a vibrar e se emocionar com momentos de refinados e potentes sons. Registros especiais, ficaram por conta dos solos do jovem trompetista André Luiz, em “Carinhoso”, de Pixinguinha; e do jovem Emanuel de Castro, com seu sax alto, em “De volta pro aconchego”, de Nando Cordel e Dominguinhos.

Fonte: Ascom

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *