π™Žπ™šπ™©π™šπ™’π™—π™§π™€ Γ© 𝙀 𝙒Γͺ𝙨 𝙙𝙖 π™˜π™€π™£π™¨π™˜π™žπ™šπ™£π™©π™žπ™―π™–Γ§Γ£π™€ π™₯π™šπ™‘π™– 𝙙𝙀𝙖çã𝙀 π™™π™š Γ³π™§π™œΓ£π™€π™¨ 𝙣𝙀 π˜½π™§π™–π™¨π™žπ™‘.

Limoeiro
Até agosto deste ano, de acordo com o Ministério da Saúde (MS), 66.236 mil pessoas aguardavam na lista por um transplante no país. O número de transplantes realizados, no entanto, atende cerca de um terço desta lista: foram 20 mil em 2022, de acordo com dados do Relatório Brasileiro de Transplantes (RBT), o que significa que muitos brasileiros que necessitam não conseguem a doação de um órgão.
O principal empecilho ao aumento no nΓΊmero de doaçáes no paΓ­s Γ© a recusa familiar ao procedimento, uma vez que cabe Γ  famΓ­lia a autorização para a doação pΓ³s-morte, e o Γ­ndice de recusa chega a 47%, segundo a Associação Brasileira de Transplante de Γ“rgΓ£os (ABTO).
Entre os motivos para a resistΓͺncia familiar estΓ£o a desinformação sobre a necessidade da doação para garantir a vida de muitas pessoas, alΓ©m da incompreensΓ£o sobre o que Γ© a morte encefΓ‘lica, condição para que a doação seja realizada.
Fonte: Ascom

Deixe um comentΓ‘rio

O seu endereço de e-mail não serÑ publicado. Campos obrigatórios são marcados com *