Mortes por doenças respiratórias em 2019 não superam 2020: post do deputado é equivocado

Deputado André Fernandes divulgou como sendo mortes por doenças respiratórias casos que, na verdade, envolvem todas as doenças. O POVO procurou a associação que mantém o Portal da Transparência – Registro Civil, fonte usada pelo parlamentar, para explicar os números.

É errada a informação de que o número de mortes por doenças respiratórias no Ceará em 2019 supera a quantidade observada em 2020. Os dados foram divulgados pelo deputado estadual André Fernandes (PSL) nas redes sociais. Contudo, ele cometeu equívoco no uso dos números e incluiu os óbitos relacionados a todos os tipos de doença para fazer a comparação. Além disso, o parlamentar desconsiderou o aviso no Portal da Transparência – Registro Civil, fonte das informações usadas por ele, sobre o tempo que leva até a comunicação das mortes. O prazo legal é de até 14 dias até um óbito ser computado na ferramenta à qual recorreu como referência.

Na verdade, no período considerado – 16 de março a 10 de maio – houve 452 mortes a mais no Estado por doenças respiratórias em comparação com o mesmo período do ano passado. Isso sem considerar casos dos últimos 14 dias que ainda podem ser incluídos – e que correspondem ao período em que o Ceará tem tido maior quantidade de vítimas da Covid-19.

Em publicação no ultimo domingo,  Fernandes afirma que teriam sido 6.377 mortes por doenças respiratórias e 2019, antes da Covid-19. Em 2020, com novo coronavírus, seriam 6.296 mortes. Ambas para o período de 16 de março a 10 de maio. A fonte citada por ele é o Portal da Transparência – Registro Civil.

“Por que em 2019 não teve o mesmo alarde?”, ele indagou. “Com isso só temos duas conclusões: ou ano passado as vidas eram menos importantes que as desse ano, ou, estão usando essas mortes como arma politica em ano de eleição.” Ao apurar os dados, abriu-se a terceira opção: confusão na leitura dos números.

O POVO procurou a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen Brasil), responsável pelo Portal da Transparência – Registro Civil, para explicar os números. Por meio da assessoria, a instituição que mantém a ferramenta explicou que parte da estatística usada pelo deputado não corresponde a doenças respiratórias. Dentro dos dados apontados, há a categoria denominada “demais óbitos”, que não se trata de óbitos por enfermidades respiratórias.

Fonte: O POVO

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *